Água de bebida limpa

Dióxido de Cloro, Ozônio ou Cloro – Qual o melhor método para tratar a água na granja?

Dióxido de Cloro, Ozônio ou Cloro - Qual o melhor método para tratar a água?

Na produção de suínos e aves, a água de bebida fornecida aos animais deve ser potável, caso contrário os animais podem adoecer ou enfrentar desafios de contaminação que certamente afetarão seu desempenho. Nós já sabemos que a qualidade da água fornecida dependerá das condições de captação e armazenamento, bem como da estrutura dos canos e existência de biofilme. No entanto, após lidar com esses pontos, é fundamental implementar um método de tratamento (potabilização) que seja compatível com as demandas da produção e perfil de gestão das granjas. Dentre os tratamentos mais utilizados estão o dióxido de cloro, o ozônio e o cloro comum. Veja abaixo as principais vantagens e desvantagens de se utilizar cada um deles para tratar a água de bebida dos animais:     

Dióxido de Cloro
O uso de dióxido de cloro no tratamento da água é uma opção com eficácia superior à cloração comum, e que exige um manejo mais cuidadoso, muitas vezes com o uso de dosadores para sua implementação. O dióxido de cloro oxida as moléculas orgânicas por meio da extração de elétrons, e permanece na forma de gás dissolvido na água, com ação biocida através da oxidação. Ao contrário do cloro, a ação biocida do dióxido de cloro não depende do pH da água, e além disso ele é mais estável (sofrendo menos decomposição ao longo do tempo).

Ozônio
O uso do ozônio para tratamento da água é uma forma mais sofisticada de inativação de micro-organismos patogênicos, porém o seu custo-benefício deve ser avaliado. Além do custo de implementação ser mais alto, a meia-vida do ozônio é baixa, portanto ele tem baixo poder residual na água, e recomenda-se a sua associação à cloração. Um outro ponto importante é que o uso de ozônio em águas com alta concentração de Bromo pode levar à formação de formaldeídos e outros aldeídos tóxicos para os animais.

Cloro
O Cloro (comumente utilizado na forma de hipoclorito de sódio) é uma alternativa mais barata para o tratamento da água. No entanto, a ideia de “cloração” geralmente está associada ao que conhecemos do seu uso na rede de distribuição para consumo humano, ou para águas em piscinas. De fato, para essas finalidades o cloro é uma boa opção, pois a relação entre pH, temperatura da água e tempo de contato do cloro é suficiente para sua ação biocida. Quando pensamos em um ambiente de granja, a temperatura e a velocidade com que a água passa nos canos são maiores (especialmente nos picos de consumo do dia), por isso a concentração e o tempo de contato do cloro com a água podem não ser suficientes para uma desinfecção eficaz e remoção do biofilme, especialmente se o pH estiver acima de 7. Um outro fato importante é que em águas onde o pH é mais elevado, o cloro pode se unir a metais como ferro e manganês formando compostos tóxicos aos animais, bem como alterando o odor e sabor da água (o que influencia o consumo).

Tratar a água de bebida na produção animal é fundamental para a obtenção de bons resultados e lucros. Fale com a nossa equipe comercial e entenda como melhorar o desempenho dos seus animais tratando a água de bebida com eficácia.

Voltar à página de posts

Posts relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.